A RELIGIÃO É UM EQUÍVOCO DATADO

É uma forma de dominação! Por séculos, se usam várias escrituras ditas sagradas (bíblia, alcorão…) para “catequizar” nossos jovens.
É uma maneira doentia de manterem o controle sobre nossos impulsivos herdeiros.
O jovem não tem saída, e tem que seguir o que é ensinado, para no futuro ser mais um adulto igual à maioria.
“Todos nascemos originais e morremos cópias”, dizia o adágio…
Talvez seja esse o maior papel das religiões, que é conter, domar, lapidar o ser tosco que é o ser humano quando é ainda jovem e ignorante…
E o pior é que funciona! A maioria da população inocentemente fica enredada ainda jovem nas respectivas mitologias de cada cultura.
É bem da cultura dos povos, crescerem já com religião definida, nivelando por igual os comportamentos de sua sociedade.
Tudo isso é um erro desnecessário, um equívoco, e é realmente uma pena, pois para uma formação ideal, bastaria uma boa educação.
Uma boa educação pouparia as pessoas de infinitas neuroses, pavores e sofrimento, MUITO sofrimento.
Não existiriam culpas, pecados, punições ou castigos infernais, afinal NÃO TEM NADA A VER conviver com essas coisas!
Para algum consolo, parece que a tendência a longo prazo é o fim das religiões, já que inevitavelmente o homem aprende cada vez mais, ficando + esperto.
A própria tecnologia já iniciou esse processo, com a popularização das informações. Agora é uma questão de tempo: 2 ou 3 gerações, talvez…
Quando essas novas gerações alcançarem um mínimo de “massa crítica” cerebral, haverá um “click”, um corte com essa “tradição” absurda.
A pessoa de fé virá a ser minoria, pois tal modo de ser não caberá numa sociedade mais lúcida, mais inteligente, mais culta.
As superstições do passado serão lembradas como por exemplo, a escravidão, sinal óbvio de um homem mais primitivo, de mente mais simplória, e hoje é unanimidade que não pode existir.
Somente atingindo esse patamar evolutivo, o homo sapiens realmente fará jus ao nome da espécie.

AS 4 ESSÊNCIAS

1 – Acima de tudo, amar a vida e o mundo. Tentar ser feliz, tranqüilo, curioso, perplexo e lúcido ao mesmo tempo.
2 – Se instruir ao máximo. Ler sobre tudo, devorar bons livros, captar o que for belo e ensinar tudo o que aprender.
3 – Manter/cultivar a exata noção da brevidade de tudo. Sentir-se humilde e afortunado perante o cosmo. (CARPE DIEM!)
4 – Cultivar a paz, respeitando a todos, SEMPRE se pondo no lugar do próximo, exercitando e ensinando a tolerância.